3 - MAMOGRAFIA DIGITAL (CR)

Instruções ao paciente:
No dia do exame, não usar talco, desodorante ou creme nas mamas e na região das axilas.
O período ideal para realizar a mamografia é do 5º ao 10º dia do ciclo menstrual, contando-se a partir do primeiro dia da menstruação, pois as mamas são menos doloridas nesse intervalo. 
É importante trazer exames anteriores completos, se houver.
Este exame não deve ser realizado em gestantes.

Imagem da Mama
A mamografia é o exame de imagem da mama mais utilizado para o diagnóstico do câncer de mama, possibilitando a detecção de lesões pequenas que ainda não se disseminaram, reduzindo significativamente a mortalidade causada por este tipo de câncer.
As imagens são obtidas por meio de um aparelho dedicado, chamado mamógrafo, com as mamas comprimidas e com emissão de raios-X com baixas doses de radiação. Na Clínica São Camilo os exames são realizados por técnicos especializados, acompanhados sempre por médico radiologista, seguindo rigorosamente as normas do CBR e da ANVISA, com controle de qualidade, calibração do equipamento e treinamento contínuo, garantindo, assim, a segurança da paciente e a precisão no resultado. 
Recomenda-se a realização da mamografia anualmente para as pacientes a partir dos 40 anos de idade, sendo que esse intervalo pode mudar conforme orientação médica e antecedentes familiares de câncer de mama.

Outras modalidades de exames empregadas no diagnóstico do câncer de mama incluem:

Ultrassonografia: as imagens da mama são obtidas por ondas sonoras de alta frequência e o aparelho utilizado é o mesmo da ultrassonografia obstétrica, mudando somente o transdutor. A ultrassonografia atua de forma complementar a mamografia e não a substitui no rastreamento do câncer de mama. Ela é muito útil na detecção de pequenos nódulos que não são visíveis na mamografia em pacientes com predomínio de tecido denso nas mamas, podendo ser realizada de rotina conforme orientação médica.

Ressonância magnética: as imagens são obtidas por meio de um aparelho gerador de campo magnético e, assim como a ultrassonografia, não envolve radiação. Na ressonância magnética das mamas, há a necessidade de se utilizar, na maioria dos casos, a injeção do meio de contraste endovenoso, pois somente assim é possível detectar e analisar lesões. O meio de contraste utilizado é baseado no gadolínio.
Por meio desses métodos de imagem, podem ser realizadas as biópsias percutâneas (não cirúrgicas) da mama por agulhas específicas, cujo objetivo é retirar amostras de uma lesão mamária para a análise microscópica, pelo médico patologista.